SAIBA AS DIFERENÇAS ENTRE ACOPLAMENTOS LIGADOS A REDUTORES: ALTA E BAIXA ROTAÇÃO

Os redutores diminuem a velocidade rotacional do sistema e consequentemente aumentam o torque. A gama de modelos e configurações existente de redutores é bem variada e abrangente. Como fazem parte do acionamento do sistemas, estão diretamente ligados à utilização de acoplamentos na função de transmissão de torque. Existe, porém, diferenças entre os acoplamentos ligados a redutores.
Os acoplamentos de alta rotação são aqueles diretamente conectados ao eixo do acionamento. Eles podem estar ligados a equipamentos como motores elétricos, motores a combustão, turbinas e geradores. Já os acoplamentos de baixa rotação são utilizados entre o sistema de redução (redutores, jogo de polias/correia) e o eixo da aplicação. Os motoredutores, por exemplo, possuem apenas acoplamentos de baixa rotação.

O que determina a designação alta ou baixa rotação é a posição em que o acoplamento está instalado. Isso independe da rotação que o acoplamento venha a transmitir. Já a definição do uso ou não de redutores ocorre na fase de projeto e potenciamento da aplicação. A partir desta informação, o cliente final realiza a seleção do acoplamento ou solicita ao fabricante que faça o dimensionamento do mesmo.

Riscos de escolher o acoplamento inadequado

Na alta rotação, os efeitos do desalinhamento são mais sentidos e visíveis. Por rotacionarem uma quantidade de vezes maior por minuto, os acoplamentos desse tipo são continuamente solicitados a centrarem os eixos. Aplicações de alta rotação necessitam de um alinhamento mais preciso, desta forma, os acoplamentos tendem a ser mais flexíveis para compensar possíveis desalinhamentos.

Já na baixa rotação normalmente são utilizados acoplamentos de grande porte, capazes de transmitir torques elevados. Por estarem mais próximos à aplicação, devem ser suficientemente flexíveis para absorver pancadas e choques provenientes do sistema e evitar com que estes efeitos sejam retransmitidos para o acionamento (motor e redutor).

Soluções oferecidas pela Antares

A Antares oferece opções para ambas as posições: alta velocidade e baixa velocidade. Na alta rotação, os acoplamentos normalmente utilizados são das linhas AT, RSK (lâminas) ou SW. No caso da linha elástica SW, a Antares possui dois tipos de elastômeros: um em PU (poliuretano), indicado para altas rotações (acima de 500 rpm) e considerado um elastômero mais flexível, que acomoda melhor os desalinhamentos; e outro em Hytrel, indicado para rotações inferiores a 500 rpm, considerado mais rígido e resistente ao desgaste devido à transmissão de torque.

Na baixa rotação, os acoplamentos normalmente utilizados são das linhas AT SEPTEM, HR e AGD (engrenagens). Entre outros benefícios, os modelos AT amortecem as vibrações e os choques, o que é muito importante nesse caso. Já o diferencial da linha HR é que os modelos permitem deslocamento radial das máquinas e proporcionam extrema segurança, além da facilidade de inspeção visual e elastômeros planos que aumentam a área de contato e consequentemente a vida útil dos elastômeros.

A Antares se dispõe a realizar ou participar do processo de seleção dos acoplamentos. Juntamente com o solicitante, nossa equipe técnica define a melhor solução para cada caso. Clique aqui (link para o fale conosco) e nos conte a sua dúvida.

O que são acoplamentos de alta e acoplamentos de baixa?

Grande parte das máquinas rotativas giram com velocidade menor do que a do motor. Para que isso aconteça, é necessário algum dispositivo de redução, um conjunto polia-correia ou um redutor, por exemplo. O acoplamento de alta é aquele que gira em velocidade mais alta, porque é utilizado entre o eixo do motor e o do dispositivo de redução. Ele também é chamado de acoplamento de entrada, pois está na “entrada” do redutor. O acoplamento de baixa é aquele que gira em velocidade mais baixa, porque é utilizado entre o eixo do dispositivo de redução e o da máquina. Ele também é chamado de acoplamento de saída, pois está na “saída” do redutor.

Qual acoplamento de alta e baixa devo escolher?

O efeito deletério dos desalinhamentos residuais aumenta com a rotação. Assim, nos acoplamentos de alta é preferível usar aqueles que acomodam maiores desalinhamentos. A escolha mais usual recai sobre os acoplamentos altamente elásticos como os do tipo pneu. Porém, acoplamentos de grade elástica e garras também podem ser utilizados, ainda que não tenham a mesma capacidade de acomodar desalinhamentos. No caso dos acoplamentos de garra, em altas rotações é preferível a utilização de elastômeros mais flexíveis e resistentes ao atrito (que ocorre entre as garras).

Já nos acoplamentos de baixa velocidade, onde o torque é bem maior, a escolha mais usual são acoplamentos com maior capacidade de torque em relação ao seu tamanho. Usualmente escolhe-se acoplamentos de garras ou de engrenagens. Contudo, a Antares desenvolveu a linha SEPTEM, que são acoplamentos tipo pneu projetados para aplicações onde é necessário aliar grande capacidade de acomodar desalinhamentos com alto torque.

Qual o cuidado ao selecionar o acoplamento de baixa ou alta?

O principal é ter em mente a seleção de acordo com a rotação em que o acoplamento trabalha. No de alta é a rotação do motor, mas no de baixa a rotação é a do eixo de saída do redutor.

Por que os acoplamentos de alta são menores do que os de baixa?

Um detalhe importante é que sempre os acoplamentos (assim como os eixos) de alta serão menores do que os de baixa. Isso se deve ao fato de que o torque é inversamente proporcional a velocidade. Ou seja, para uma mesma potência, quanto menor a rotação, maior será o torque. Ainda que potência, rotação e diâmetro de eixo sejam dados de entrada para a seleção do acoplamento, é o torque que define o tamanho mínimo do acoplamento.

Sobre o autor:

Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email

Deixe uma resposta

Bem vindo
ao Blog Antares

Com sede em Caxias do Sul (RS), a Antares é um dos mais importantes fabricantes de acoplamentos no Brasil. Aqui você verá novidades da empresa e tendências no setor de Acoplamentos Flexíveis.

Cadastre-se para receber novidades do Blog Antares:

Leia também:

Fechar Menu