Motobombas e acoplamentos: maior custo ou melhor investimento?

20/11/2019
Acoplamentos
Lourenço Daudt

Motobombas eram vistas apenas como sistemas análogos a motoredutores, ou seja, conjuntos monoblocos, completamente integrados com transmissão embutida. 

Hoje em dia, são classificados também como motobombas sistemas compostos de uma bomba, um motor e um acoplamento. A primeira é usualmente a mais cara e sua manutenção é extremamente difícil. O motor está logo atrás em termos de preço, mas o seu bom funcionamento depende de inúmeras variáveis.

Algo comum, portanto, é as empresas aproveitarem para reduzir custos durante a aquisição do acoplamento. Optam por peças mais baratas e, consequentemente, de menor qualidade. Acontece que os fornecedores de motobombas líderes de mercado perceberam que isso não é nem economicamente satisfatório, nem tecnicamente recompensante.

Por que não?

Quanto à parte econômica, não traz tanto resultado justamente pelo menor preço quando comparado ao resto do sistema. É usual que o acoplamento equivalha a 3% do valor total da motobomba. Se, por exemplo, sua empresa está prestes a adquirir um acoplamento 30% mais barato que um de maior qualidade, estará sendo economizado, ao todo, menos de 1% do valor total.

motobombas

“Bom… 1% não é pouco!”

É verdade. Isso parece, inclusive, bastante razoável. Mas é aí que entra o prejuízo técnico – que muitas vezes se traduz em um prejuízo econômico e de valor de marca muito preocupante.

Há duas formas pelas quais um acoplamento pode falhar (por mais que elas nem sempre ocorram separadamente):

  1. Baixa durabilidade. Neste caso, o próprio acoplamento rompe, e o cliente necessitar trocar. Muitas vezes, ele vai diretamente a um fornecedor de acoplamento e fará uma simples troca. Logo, o fabricante da motobomba muito raramente fica sabendo do acontecimento, ficando, portanto, sem o feedback da qualidade do produto que foi inserido no sistema.
  2. Alta rigidez. Neste caso, que é mais grave, como o centro elástico é muito rígido, ele tende a durar mais, mas a ser mais agressivo tanto com a bomba quanto com o motor, com os rolamentos e com os selos/gaxetas, por acomodar menos desalinhamentos. O que ocorre, portanto, é que o acoplamento continua funcional, enquanto os outros componentes, mais caros e de mais difícil manutenção, se deterioram rapidamente

“Eu realmente preciso solucionar isso?”

Acontece que isso é um prejuízo enorme para a marca de motobombas, pois o cliente associa a falha à motobomba, e não ao acoplamento. E em sistemas com motor de combustão interna esse problema pode ser ainda mais grave: como seu funcionamento possui maior vibração, a rigidez do centro elástico é ainda mais crítica ao sistema como um todo.

LEIA TAMBÉM

Acoplamentos industriais: o que são e quais as suas funções?

“Então, como posso resolver este problema?”

Utilizando um acoplamento que consiga aliar durabilidade e flexibilidade. E as empresas líderes de mercado já associam essas características diretamente ao acoplamento Antares AT. Inclusive, é possível que você mesmo já faça essa associação. Afinal, não é à toa que a Antares é a marca preferida nesse segmento.

Seu centro de borracha natural e vulcanizado na flange, juntamente com cubos de aço 1020 garantem maior capacidade de acomodação de desalinhamentos, o que reduz vibrações e protege o coração da motobomba.

A médio e longo prazos, seu cliente terá significativamente menos trocas de centros elásticos e, no que compete ao acoplamento, não precisará se preocupar com a danificação da bomba e do motor.

Quanto aquela economia de 1% pode comprometer o valor da sua marca?

Lourenço Daudt / Vendedor Técnico

Sobre o autor:
Lourenço Daudt
Lourenço Daudt trabalha na engenharia de aplicação da Antares Acoplamentos. Há anos trabalha visitando fábricas e acompanhando de perto as dificuldades dos operadores no dia-a-dia.