Fique por dentro do mundoAntares

Visualize nossas notícias e artigos.

Voltar
30/08/2017

Aprenda a reduzir custos de produção com balanço hídrico nas usinas sucroalcooleiras

por Suzana Siqueira Daudt - Diretora de Marketing e D.O.

 

A realização de um evento do porte da 25ª Fenasucro & Agrocana – Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética, que ocorreu no final do mês de agosto, serve não apenas para mostrar novidades e traçar tendências para o setor, mas também para tratar de soluções importantes de uso racional dos recursos naturais. Como exemplo, podemos citar um tema que ganha cada vez mais atenção, a otimização do consumo hídrico das usinas, essencial para a sustentabilidade do agronegócio sucroalcooleiro.

 

Cada vez mais o balanço hídrico tem sido usado por gestores das áreas agrícola e industrial. O objetivo é reduzir custos de produção e identificar pontos nos quais, com o uso de tecnologias mais modernas, seja possível reduzir ainda mais o consumo de água e aperfeiçoar a prática do reúso. Estudo desenvolvido recentemente pela Embrapa Informática Agropecuária (SP), em conjunto com a Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Piracicaba (SP), mostra que medidas simples e bem direcionadas podem resultar em reduções expressivas no consumo de água em usinas de cana-de-açúcar.

 

Limpeza a seco

 

A pesquisa aponta que tecnologias como a limpeza a seco da cana-de-açúcar para a queima da palha nas caldeiras de alta pressão fazem com que o consumo diminua entre 11% a 13% em relação à lavagem úmida, comumente utilizada. Ainda de acordo com o estudo, a substituição do "splay", sistema de refrigeração por aspersão, pela torre de resfriamento reduziria as perdas de 5% a 8% para 1,5% a 3% no total do balanço hídrico.

Adotando-se o conjunto de medidas propostas, pode-se adequar a captação da água das usinas à legislação ambiental. De acordo com os pesquisadores da Embrapa, para reduzir ainda mais esses números é necessário o tratamento do reúso da água contida no efluente e a realização de processos como a concentração e a biodigestão da vinhaça. Dessa forma, empregar sistemas de água fechados, fazendo somente a reposição das perdas de processo, traz enormes vantagens econômicas para a usina e diminui a captação de água bruta de rios, lençóis freáticos e mananciais.

 

Variantes de tecnologia

 

Os consultores responsáveis pela pesquisa alertam que os processos de produção de açúcar e de etanol têm variantes de tecnologia que precisam ser levadas em conta pelas empresas quando se faz o balanço hídrico. Devem ser adaptadas a cada situação. No caso de usinas e destilarias recém-construídas, os projetos geralmente já incorporam as melhores alternativas disponíveis. É o caso da biodigestão da vinhaça e de sua evaporação posterior à biodigestão. A água evaporada para concentrar a vinhaça, tem reúso garantido em várias etapas do processo de produção de açúcar e etanol.

 

Os pesquisadores explicam que agora é possível determinar a quantidade de consumo de água na produção e as medidas necessárias para a sua otimização de uso e reúso, assim como distinguir os processos de utilização de água e efetuar o dimensionamento de tubulações (coletores, distribuidores, entre outros), bombas, trocadores de calor, evaporadores e estações de tratamento de água.

 

Saiba mais em www.embrapa.br

 

Conheça os acoplamentos Antares e sua performance na indústria de transformação sucroenergética (cana-de-açúcar, etanol e biodiesel):

 

•             Acoplamentos flexíveis da linha AT

 

•             Acoplamentos elásticos